Exército contribui com a expansão de fibra óptica na Amazônia

Amazônia integrada

Publicado em 31/03/2024 08h15 | Atualizada em 31/03/2024 08h28

CMN

Breves (PA) – O Programa Amazônia Integrada Sustentável, que leva fibra óptica para cidades ribeirinhas do Pará até o Amapá, chegou em Breves, arquipélago do Marajó. Essa é mais uma etapa do programa para expandir as redes de telecomunicações na Região Amazônica.

Nessa etapa, mais de 620 km de cabos de fibra ótica submersos são lançados nos rios amazônicos. O próximo destino será Macapá (AP), com previsão de chegada para a primeira semana de abril.

Para assegurar a boa execução do lançamento dos cabos, 35 militares do Comando Militar do Norte fazem a segurança patrimonial e pessoal deste que é um dos maiores projetos de conectividade do mundo. Em 2015, o Exército Brasileiro foi pioneiro na ação de lançar cabos submersos pelos rios do Norte do Brasil, com o Projeto Amazônia Conectada.

"Este projeto nasceu da necessidade de melhorar as comunicações das organizações militares localizadas na Amazônia, tendo em vista que, na época, só tínhamos comunicação via satélite. Precisamos aumentar a capacidade de comando e controle dessas organizações com o escalão superior em Manaus", explicou o Tenente-Coronel Anderson Barretto, assessor do PAC lotado no Centro Integrado de Telemática do Exército. 

Foi a partir da experiência positiva no estado do Amazonas, ligando a capital Manaus com municípios mais distantes, como São Gabriel da Cachoeira, Tefé e Barcelos, que o Governo Federal instituiu o Programa Amazônia Integrada Sustentável (PAIS), com a finalidade de expandir a infraestrutura de comunicações na região Amazônica, por meio da implantação de redes de transporte de fibra óptica. O programa é coordenado pelo Ministério das Comunicações e tem o Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército e o Centro Integrado de Telemática do Exército como representantes do Ministério da Defesa, atuando com agentes de acompanhamento e monitoração do Programa.

Para a Defesa, o projeto contribui para melhorar as comunicações militares na região amazônica, apoiando a proteção e segurança do território nacional. Por suas características de inovação e abrangência, trata-se de um projeto de dupla aplicação – civil e militar –, que representa um marco histórico nas comunicações do país.

"Diante da necessidade da tecnologia, da inclusão digital, esta é uma ação que vai trazer não só Internet, mas também oportunidades para o comércio local e para o desenvolvimento regional", pontuou Nuno Alves, especialista em projetos de cabos ópticos subaquáticos da Entidade Administradora da Faixa, entidade não governamental e sem fins lucrativos responsável pela implementação da Infovia. 

"No Amazonas, através das redes implantadas por meio do Projeto Amazônia Conectada, hospitais começaram a emitir certidões de nascimento online; escolas fazem ensino à distância e muitos jovens já fazem a inscrição do ENEM de forma online, sem ter que se deslocar para capital. E com certeza, em um futuro breve, os moradores do Marajó poderão usufruir desses benefícios. Sem contar que teremos também crescentes Índices de Desenvolvimento Humano em municípios do Pará", concluiu o Tenente-Coronel Barretto. 

A previsão é que o projeto beneficie mais de 2,5 milhões de habitantes, levando internet a 38 escolas, cinco unidades de saúde, três fóruns de justiça, três pontos de defesa e dois centros de pesquisa.

O PAIS é um programa do Governo Federal, com a participação do Ministério das Comunicações, Ministério da Defesa, Ministério da Educação, Ministério da Saúde, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel),

Fonte: Comando Militar do Norte

Conteúdo Relacionado