Soldados do 1º Batalhão de Engenharia de Combate (Escola) concluem o perído de Instrução Individual Básico.

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 01 mai 2018

Rio de Janeiro (RJ) – O 1º Batalhão de Engenharia de Combate (Es), Organização Militar Diretamente Subordinada do 5º Grupamento de Engenharia, realizou no período de 24 a 27 de abril, o Exercício no Terreno (ET) que marcou o término do Período de Instrução Básica do Grupamento A/2018.

O Exercício no terreno tem por objetivo aplicar as técnicas e desenvolver os atributos necessários ao Combatente Básico da Arma de Engenharia, além de colocar em prática os conhecimentos adquiridos nas instruções teóricas ministradas pelos instrutores e monitores do Batalhão Villagran Cabrita aos novos soldados.

O ET foi desenvolvido por meio de diferentes instruções práticas, tais como: Pista de Cordas realizado no Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, Batalhão Tonelero; Transposição de Curso D’água; Pista de Orientação (diurna e noturna); Progressão (diurna e noturna); Higiene Pessoal e Primeiros Socorros; Camuflagem e Câmara de Gás realizado Escola de Instrução Especializada (ESIE). Nestas chamadas “oficinas”, os soldados incorporados em 2018 puderam realizar atividades de imitação do combate, que consolidam a capacidade de sobrevivência do militar no campo de batalha.

A “ideia força” do exercício foi proporcionar aos recrutas as condições ideais para a prática e a consolidação das técnicas individuais já ensinadas. Neste sentido, o Batalhão não mediu esforços em pessoal e material para que o soldado pudesse, em todos os momentos, contar com instrutores e monitores incumbidos de verificar sua conduta, corrigindo-a quando necessário.

Superado mais este desafio, os soldados do Efetivo Variável tornaram-se aptos a receber a tão almeja boina verde. A entrega da boina é um ato revestido de grande simbolismo, pois marca o fim da primeira fase de formação do combatente e, além disso, representa o momento em que os novos soldados poderão andar fardados fora do quartel, fato que confere a eles uma prerrogativa.

A origem do uso da boina surgiu durante a I Guerra Mundial, com aparecimento do carro de combate. As forças blindadas inglesas adotaram, em 1924, como cobertura, a boina de cor preta, porque tornava as inevitáveis manchas de óleo e graxa menos visíveis. A adoção da boina preta criou uma mística nas tropas inglesas, desenvolvendo de modo acentuado o seu espírito militar.



Fonte:1º BE Cmb (Es)