Exército realiza ação social durante operação de combate a crimes ambientais no Pará

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 14 ago 2021
Crédito: CCjN

Itaituba e São Félix do Xingu (PA) – No Pará, as ações da Operação Samaúma vão além de prevenção a crimes ambientais. Entre os dias 3 e 5 de agosto, o Comando Conjunto Norte (CCjN), formado pelo Comando Militar do Norte, Comando do 4º Distrito Naval e Comando Aéreo Norte, realizou ação cívico-social. Foram beneficiados moradores de São Félix do Xingu e de Moraes de Almeida, em Itaituba.

No dia 3 de agosto, militares do 51º Batalhão de Infantaria de Selva (51º BIS) realizaram a distribuição de cestas básicas, beneficiando mais de 20 famílias no bairro Lavrador, em Moraes de Almeida. Já no dia 5 de agosto, a tropa ampliou as ações em benefício da população e apoiou a vacinação no distrito, após pedido da unidade de saúde local.

No dia 4, foram promovidos atendimentos de saúde em São Félix do Xingu. Militares do 23º Batalhão Logístico de Selva e do Hospital da Guarnição de Marabá realizaram 190 atendimentos de saúde, sendo 85 médicos, 30 odontológicos e 75 para instruções de otimização de escovação em crianças e adultos. A Banda de Música alegrou o dia dos presentes.

Os militares estão presentes em ambas as localidades desde o início de julho, onde realizam reconhecimento e patrulhamentos. A Operação Samaúma segue até o dia 31 de agosto com o objetivo de combater crimes ambientais.

Operação Samaúma
A Operação Samaúma, de garantia da lei e da ordem ambiental, ocorre em terras indígenas, em unidades federais de conservação ambiental, em áreas de propriedade ou sob posse da União e, mediante requerimento do Governador, em outros sítios do estado. Todas as atividades ocorrem em conjunto com órgãos e agências de proteção ambiental e de segurança pública.

A atuação dos militares do CCjN, que iniciou dia 28 de junho, ocorre nos municípios paraenses de Altamira, Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso, São Félix do Xingu e Trairão e seguem até o dia 31 de agosto.

O nome da operação homenageia a árvore conhecida como rainha da Amazônia, que guarda e distribui água para outras espécies e também pode ser chamada de mafumeira, sumaúma e kapok.

Fonte: 23ª Brigada de Infantaria de Selva