Escultura da patrulha do Museu do Expedicionário é restaurada para marcar seus 70 anos

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 20 mai 2021
Restauração
Crédito: Sd Giovanne

Curitiba (PR) – O Museu do Expedicionário, que registra a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial, e a escultura que representa a patrulha da Força Expedicionária Brasileira, localizado no alto do museu, completam 70 anos em 2021. Para celebrar a data, a escultura passou por uma restauração. Realizado pelo atelier Bachmann, sob a supervisão de Diego Bachmann, o trabalho foi finalizado no dia 15 de maio.

A peça exposta a céu aberto sofre com danos naturais, processos de intemperismo, além da poluição típica de uma grande metrópole. Diego Bachmann, responsável pela recuperação, ressaltou a emoção de realizar esse trabalho. “É uma obra de arte representativa da história não só dos paranaenses, mas também de todos nós brasileiros, que traz à memória aqueles heróis que tombaram nos campos da Itália, defendendo a nossa bandeira e nossa democracia nos idos da década de 40 do século passado”, disse o artista.

Museu
Com a colaboração de várias instituições, o Museu do Expedicionário passou por mudanças na busca por adequações aos padrões museológicos, aprimorando a apresentação e conservação do acervo além da comunicação com o público.

A história do Museu do Expedicionário está ligada diretamente à Legião Paranaense do Expedicionário (LPE), instituição fundada em 1946 por paranaenses que estiveram na Segunda Guerra Mundial e que tinha como objetivo prestar assistência aos expedicionários e às famílias daqueles que perderam suas vidas nos combates na Itália. O prédio, em estilo neoclássico, foi projetado pelo engenheiro Euro Brandão e o conjunto escultório da patrulha, posicionado no alto de sua fachada, é de autoria de Humberto Cozzo.

Em 2015, a LPE passou ao Exército Brasileiro o imóvel e seu acervo, iniciando o processo de doação do museu. O Exército Brasileiro passou então a administrá-lo a partir de 2017, com o apoio do Governo do Estado do Paraná e da própria LPE, preservando seus valores e, principalmente, a memória dos nossos expedicionários.