5ª Região Militar incentiva criação de novos Tiros de Guerra e contribui para formar o jovem cidadão

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 15 ago 2019
Tiro de Guerra da 5ªRM
Crédito: Seção de Tiro de Guerra da 5ªRM

Curitiba (PR) – Bem vistos por muitos gestores municipais, os Tiros de Guerra (TG) conseguem cumprir sua missão de, além da formação em manejo de armas, contribuir para formar o jovem cidadão, transmitindo valores como civismo, patriotismo, lealdade e disciplina. “Ao passar pelo TG, os jovens da nossa cidade adquirem conhecimentos que vão além das lições do treinamento militar, como patriotismo e disciplina. Eles aprendem a ser cidadãos de bem, a superar limites nunca antes testados e levam para a vida a importância da solidariedade”, elogiou o prefeito do município de Cianorte (PR), Claudemir Bongiorno.

Para que mais jovens vivam essa experiência, o Comando da 5ª Região Militar (5ª RM) está trabalhando com o intuito de aumentar o número de TG nos Estados do Paraná e Santa Catarina, que hoje somam 19 Unidades. Em busca desse objetivo, foi elaborada uma cartilha informativa que descreve “passo a passo” como instituir um Tiro de Guerra. O público alvo do informativo são as Prefeituras na jurisdição da 5ª RM.

 

O Tiro de Guerra

A organização de um TG ocorre em acordo firmado entre os municípios e o Comando Militar. O Exército fornece os instrutores, fardamento e equipamentos, enquanto a administração municipal disponibiliza as instalações. “Em 48 anos em Maringá, o Tiro de Guerra local prestou relevantes serviços à comunidade. É uma experiência exitosa que vamos expandir e garantir novas realizações”, ressaltou Ulisses Maia, Prefeito de Maringá.

Uma grande vantagem dos TG é que eles são estruturados de modo que o convocado possa conciliar a instrução militar com o trabalho ou estudo, proporcionando a milhares de jovens brasileiros, principalmente os que residem em cidades do interior do País, a oportunidade de atenderem à lei e prestarem o serviço militar inicial, contribuindo, assim, para estimular a interiorização e evitando o êxodo rural.

 

Fonte: 5ª RM