Agência rebaixa 15 bancos

Fonte:





Um dia após rebaixar a nota dos títulos soberanos brasileiros de longo prazo, a Standard & Poor"s (S&P) reavaliou, ontem, as classificações de risco e a perspectiva de 29 instituições financeiras nacionais e estrangeiras que operam no país. Nesse processo, 15 bancos tiveram seus ratings reduzidos de BB para BB-, a mesma classificação de risco dada aos papéis do governo, ou seja, três degraus abaixo do nível de investimento.

Entre os rebaixados, destacam-se os maiores bancos públicos e privados, como Banco do Brasil, Caixa, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Bradesco, Itaú Unibanco e Santander. Outras 14 instituições financeiras tiveram a nota brAA mantida pela agência, mas a perspectiva acabou passando de estável para "negativa", como Ativos S.A. Securitizadora de Créditos Financeiros, Banco de Tokyo-Mitsubishi, Banco Morgan Stanley, Banco Toyota do Brasil, Banco BNP Paribas Brasil e Banco Volkswagen.

Esse procedimento de rebaixamento de empresas costuma ocorrer normalmente quando um país sofre downgrade, de acordo com especialistas. "Isso faz parte da metodologia de classificação de risco, porque é preciso alinhar as notas de empresas e instituições financeiras que fazem captação no exterior", destacou o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini.

Estados

A S&P também rebaixou ontem os ratings de longo prazo em moeda estrangeira e em moeda local de dois estados e de uma cidade, de BB para BB-: São Paulo e Santa Catarina e a prefeitura do Rio de Janeiro. "Ao mesmo tempo, reafirmamos os ratings de longo prazo "brAA-" na escala nacional Brasil dos estados de São Paulo e de Santa Catarina e da cidade do Rio de Janeiro. A perspectiva dos ratings é estável", informou o comunicado da agência avisando que poderá rebaixar novamente essas três classificações nos próximos 12 meses se os perfis de crédito "se deteriorarem de forma significativa e inesperada".

Acompanhando o mesmo raciocínio para os estados, a S&P reduziu o rating em escala global de duas importantes empresas paulistas: a Companhia Energética de São Paulo (Cesp) e Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). "Essas ações seguem-se à ação similar nos ratings do estado de São Paulo. Alteramos a perspectiva dessas entidades de negativa para estável", informou  a nota da S&P.

Instituições financeiras atingidas

» Banco do Brasil S.A.

» Bradesco S.A

» Citibank S.A.;

» Itaú Unibanco Holding S.A.

» Itaú Unibanco S.A.

» ABC Brasil S.A.

» BNB

» Santander (Brasil) S.A.

» China Construction Bank (Brasil)

» Votorantim S.A.

» Safra S.A.

» BNDES

» Caixa Econômica Federal

» B3 S.A

» GP Investments Ltd.


Fonte: CORREIO BRAZILIENSE - DF

Autor: ROSANA HESSEL