Publicador de conteúdo web

Retornar para página inteira
${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 15 set 2021
Crédito: Departamento de Ciência e Tecnologia

 

Brasília (DF) – Integrar as Brigadas do Comando Militar da Amazônia à rede estratégica do Exército Brasileiro introduzindo a população local no mundo conectado. Assim trabalha o Projeto Amazônia Conectada, ação liderada pelo Ministério da Defesa, conduzida pelo Exército Brasileiro e que tem contribuído para a integração nacional. Para garantir isso, a Força realiza lançamentos de cabos de fibra óptica nos leitos dos rios amazônicos, permitindo que localidades isoladas na região norte do país passem a ter acesso à transmissão de dados com alta velocidade e de forma segura e confiável.

Coordenado pelo Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT) do Exército, o Projeto Amazônia Conectada já lançou, até agora, aproximadamente 1900 km de cabos ópticos, beneficiando nove municípios localizados nas regiões dos rios Negro e Solimões, além da capital Manaus. Só em 2021, foram lançados 620 quilômetros de cabos e incluídos mais dois municípios entre as localidades beneficiadas.

O Chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército, General de Exército Guido Amin Naves, destacou que o projeto se originou de uma necessidade da Força. “Nosso objetivo era levar fibra óptica para as nossas brigadas desdobradas na Amazônia. Só que, no caminho, passamos por várias comunidades dos estados envolvidos que poderiam usufruir dos benefícios da passagem daquela fibra óptica. Assim, criamos uma caixa de ancoragem, tiramos as fibras dos leitos dos rios, e os municípios providenciam a ligação para que o benefício chegue às comunidades. Assim, elas podem usufruir dessa conectividade, inclusive em escolas e hospitais. Esse é um alcance social muito importante do nosso projeto”.

Além de aperfeiçoar a transmissão de informações do Exército e das demais Forças Armadas, a rede de comunicações estabelecida pelo projeto permite que outros órgãos da administração pública federal, estadual e municipal possam implementar políticas públicas em localidades antes não beneficiadas, gerando a inclusão digital de milhares de famílias. Dentre os serviços digitais proporcionados por uma rede de dados de alta velocidade, destacam-se internet, telemedicina, ensino a distância, segurança pública, trânsito e turismo.

Atualmente, estão conectados à rede do projeto seis hospitais que usufruem de serviços de telemedicina, e mais três unidades de saúde foram interligadas, inclusive com as consultas feitas por médicos do Hospital Albert Einstein, de São Paulo (SP). Também estão conectadas 10 instituições de ensino e órgãos públicos, como o Tribunal de Justiça do Amazonas, o Tribunal Regional Eleitoral, o ICMBio e a Polícia Militar do Amazonas. Além disso, encontra-se em fase de implementação a interligação de mais 91 escolas estaduais e municipais. “Essa ação nos enche de orgulho não apenas por estarmos trazendo conectividade, importante para fins de comando e controle de nossas unidades, até a fronteira, mas também por compartilharmos conectividade com a sociedade”, ressaltou o General Amin.

Histórico
No ano de 2014, um Memorando de Entendimento entre o Comando do Exército, Governo do Estado do Amazonas, Processamentos de Dados do Amazonas (PRODAM) e outras instituições marcou a formalização das primeiras ações do Projeto Amazônia Conectada. Em 2015, o Governo Federal criou o projeto por meio de portaria interministerial envolvendo o Ministério da Defesa, o Ministério das Comunicações e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações. O primeiro lançamento de cabos foi realizado em 2015.

Saiba mais sobre o Projeto Amazônia Conectada, clicando aqui.

Fonte: Centro de Comunicação Social do Exército