Dia da Intendência – 12 de abril

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 08 abr 2022
Crédito: Centro de Comunicação Social do Exército

O Exército Brasileiro celebra, em 12 de abril, o Dia do Serviço de Intendência, data que homenageia seu patrono, o Marechal Carlos Machado de Bitencourt, nascido nesse dia, no ano de 1840, em Porto Alegre (RS).

O Marechal Bitencourt, filho do Brigadeiro Jacinto Machado Bitencourt e de Ana Maurícia da Silva Bitencourt, estimulado pelos exemplos de amor à Pátria e coragem cívica do avô paterno na segunda Campanha da Cisplatina, demonstrava, desde a infância, pendor para a carreira das armas. Galgou, por mérito, todos os postos de uma brilhante carreira e viveu a honrosa situação de participar de grandes batalhas na Guerra da Tríplice Aliança.

No ano de 1897, então Ministro da Guerra, o Marechal Bitencourt marcaria seu nome na história do Exército. Após sucessivas derrotas das tropas federais na Campanha de Canudos, cujo óbice maior era a ausência de uma logística eficiente, interveio pessoalmente, de forma a implementar um fluxo de suprimentos e de transporte de material e pessoal organizado e sistematizado por meio de comboios ordenados e postos avançados, tornando o reabastecimento das tropas contínuo e efetivo e contribuindo para a derrota final dos rebelados, fato que lhe rendeu o epíteto de “Marechal de Ouro”.

No dia 5 de novembro do mesmo ano, durante uma cerimônia de recepção aos veteranos da Guerra de Canudos, Bitencourt, num ato de coragem e altruísmo, na tentativa de impedir o assassinato do então Presidente da República Prudente de Morais, pôs-se à frente deste, sofrendo um golpe de arma branca que lhe ceifou a vida. 

Por meio do Decreto nº 2.112, de 5 de abril de 1940, Carlos Machado de Bitencourt, o Marechal de Ouro, foi escolhido como Patrono do Serviço de Intendência do Exército Brasileiro, em justo reconhecimento ao seu exemplo inconteste de devotamento à carreira militar e à Pátria, principalmente no comando das tropas em Canudos, e à sua enorme contribuição para a evolução da logística da Força Terrestre. Em reconhecimento também ao ato heroico de ter salvado o Presidente da República de um atentado, com o ônus da própria vida, foi escolhido como Patrono da Segurança Presidencial, conforme publicado na Portaria nº 101, de 4 de dezembro de 2018, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

O Serviço de Intendência está presente no Brasil desde o período colonial, quando os governantes necessitavam de encarregados para atribuições administrativas relacionadas à alimentação da tropa, ao material bélico e à intendência, além do arreamento dos equinos.

Em maio de 1821, Dom Pedro I criou o Quartel-Mestre General, sendo essa estrutura responsável pela função logística suprimento, ainda pouco conhecida e explorada no meio militar. A organização militar permaneceu em atividade até outubro de 1896, quando foi substituída pela Intendência Geral de Guerra, atualmente considerada o embrião da Diretoria-Geral de Intendência.

Após a Primeira Guerra Mundial, fruto das experiências em combate e da vitória da Tríplice Entente, da qual fazia parte a França, o governo brasileiro decidiu contratar a Missão Militar Francesa com o objetivo de auxiliar na instrução e modernização do Exército, dando início a uma nova concepção sobre a organização da logística e resultando na criação oficial do Serviço de Intendência em 1º de outubro de 1920. 

Durante a Campanha da Força Expedicionária Brasileira (FEB) no Teatro de Operações da Itália, a Intendência de Guerra, sob o comando do então Coronel Biosca, fez-se representar por uma Companhia de Intendência, uma Seção Administrativa e uma Seção de Suprimento, que incluía a atividade de transporte; estruturas essas que serviram de elo logístico entre o V Exército de Campanha Norte-Americano e a frente de combate brasileira.

Foi ainda nos campos de batalha da Itália que a Intendência recebeu do Marechal Mascarenhas de Moraes, comandante da FEB, o título de “Rainha da Logística” devido à sua gloriosa atuação em solo italiano, tendo apoiado a tropa de forma imprescindível em um dos mais brilhantes feitos de toda a campanha: a tomada de Monte Castelo.

Os ensinamentos colhidos no âmbito da logística no fragor do combate na Itália foram decisivos para o desenvolvimento da formação do oficial e do sargento de intendência. Antes formados na Escola de Intendência do Rio de Janeiro, o oficial passou a pertencer, a partir de 1947, à formação bélica da Força Terrestre na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ).

Nesse contexto, as praças tiveram como embrião o Centro de Instrução Especializada em Realengo, também no Rio de Janeiro, que tinha como missão, no período de preparação para a guerra, adestrar os efetivos que seguiriam para a FEB.

Ademais, em tempos de paz, os intendentes são responsáveis por desempenhar funções vitais às organizações militares, destacando-se sempre pela honestidade e competência profissional.

Na gestão, cumprem tarefas em áreas transversais à logística, dentre elas: orçamento, finanças, controle interno, contabilidade, pagamento de pessoal, subsistência, estoque e controle de depósitos. Quanto ao emprego tático e operacional, a Intendência é responsável pela organização e pelo emprego das funções logísticas suprimento, transporte e recursos humanos.

Como forma de expressar o comprometimento que os intendentes possuem ao desempenhar suas funções, escolheu-se como símbolo da Intendência a folha de acanto, uma vez que tem por significados pureza e honestidade, características inerentes a todos os militares e, principalmente, aos intendentes, responsáveis diretos pela gestão de recursos públicos alocados à Força Terrestre

No corrente ano, chegaram ao corpo de tropa as primeiras oficiais representantes do sexo feminino no Serviço de Intendência, oriundas da Academia Militar das Agulhas Negras. São treze aspirantes que representam um marco na história do Exército Brasileiro, pois tornaramse as pioneiras da Linha de Ensino Militar Bélico, marcando uma nova etapa da participação feminina na Força Terrestre e na Logística Militar Terrestre.

Integrantes da “Rainha da Logística”, que as glórias trilhadas pelo insigne Marechal Bitencourt, exemplo de combatente sagaz e valoroso soldado, continuem a norteá-los no desempenho de suas atribuições, contribuindo, dessa forma, para a consecução dos objetivos do Exército Brasileiro.

Arquivo em pdf para impressão

SEMPRE SERVIR!!!

Brasília-DF, 12 de abril de 2022.

Fonte: Centro de Comunicação Social do Exército