Revista Recrutinha chega à maioridade levando civismo e patriotismo para o público infanto-juvenil


Brasília (DF) – No dia 12 de outubro, é comemorado o Dia das Crianças, mas, para o Exército, há mais um motivo para celebrar: a Revista Recrutinha completa 18 anos! A publicação em quadrinhos do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx) leva a crianças e adolescentes lições de civismo e patriotismo por meio das aventuras do personagem principal: o querido Recrutinha. A publicação é semestral e cada uma tem a tiragem de 500 mil exemplares. Sua distribuição acontece em todo o País, por meio das organizações militares do Exército Brasileiro.

Criada pelo desenhista Luiz Fernando Vieira em 12 de outubro de 2000, a revista veio para atender à demanda de comunicação para com o público infantil: “eu estava servindo ao Exército, no CCOMSEx, como cabo, e recebíamos muitas visitas e sempre com crianças. Não tínhamos nada para distribuir a elas, a não ser a Revista Verde-Oliva e calendários, que só os adultos tinham interesse. Então tive a ideia de fazer um encarte para ser publicado no Dia das Crianças, com quatro páginas de passatempos e histórias contando o dia a dia do Soldado. Seria uma boa oportunidade para ver como o público reagiria. Sempre fui ligado a quadrinhos, e os gibis fizeram parte da minha infância. Eu via que não existia no Exército algo assim, existiam apenas algumas edições falando sobre os patronos, mas era uma leitura para adultos e que haviam sido produzidas nos anos de 1970 e 1980”, explica o autor.

Hoje, com fãs por todo o Brasil, e vendo sua ideia completar 18 anos de sucesso, Luiz Fernando diz-se admirado com o êxito da publicação: “realmente é uma surpresa muito grande! Sou de uma geração que curtia coisas simples, não havia celulares, tablets e games. Minha diversão era ler gibis (quando conseguia algum em distribuição gratuita nas escolas públicas – sim, havia isso na minha época de criança). E quando foi criado o nosso herói, não imaginava que iria tão longe. Existem publicações até em italiano. Hoje em dia, com tanta tecnologia envolvida na vida das pessoas, é muito legal saber que um gibi de papel desperta tanta admiração das crianças e eu só tenho conhecimento do alcance quando sou colocado na frente da garotada. Sempre sou pego de surpresa com o carinho que eles me tratam e o conhecimento que têm sobre o Recrutinha. É de emocionar”.

O reconhecimento do trabalho do desenhista é inevitável: “certa vez estava em uma roda de amigos e um deles falou em voz alta para outros colegas que estavam conosco: ‘Ei! Vocês sabiam que o Luiz Fernando foi quem criou aquele personagem do Exército? O Recrutinha?’. Em meio ao espanto dos amigos e as brincadeiras, surgiu um rapaz que não fazia parte da "roda" e que estava passando por ali. Quando ele ouviu o nome ‘Recrutinha’, para meu espanto e o de todos, se aproximou e disse que não acreditava que estava me conhecendo (eu ainda surpreso). Ele se apresentou para nós e falou que seu pai sempre levava as revistinhas para que pudesse ler em casa e que cresceu muito identificado com os quadrinhos. Nesses anos todos foi uma das maiores surpresas que eu tive. Alguém que eu nunca havia visto e que estava apenas de passagem, ao ouvir o nome do Recrutinha, parou para contar sua experiência com o gibi”, diz emocionado.

Agora que o Recrutinha  tem 18 anos, o autor pretende manter essa idade: “ele é atemporal, será um tipo de ‘Peter Pan’, não envelhecerá, terá sempre 18 anos. Sempre aprendendo noções de civismo e cidadania com o espírito de uma criança”. Na Central de Conteúdos do site do Exército Brasileiro, é possível acessar a publicações, joguinhos, imagens para colorir e mural de fotos. Para sistema o operacional Android há um aplicativo de jogos gratuito especialmente desenvolvido para os fãs do personagem.

 

 

Que conhecer mais o personagem Recrutinha? Clique aqui e confira. Além de caça-palavras, baixe o livrinho de pintura. Aproveite também as publicações, desenhos disponíveis para colorir, jogos e mural de fotos.

Quer baixar o aplicativo? Acesse aqui.

Acesse, aqui, a primeira edição da revistinha.

 

 

 



Fonte:Agência Verde-Oliva