Operação Cabo Orange é desencadeada na fronteira da Amazônia Oriental

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 27 mai 2019
Crédito: Comando Militar do Norte

Clevelândia do Norte (AP) – Para intensificar a presença na fronteira da Amazônia Oriental, o Comando Militar do Norte (CMN), por meio da 22ª Brigada de Infantaria de Selva (22ª Bda Inf Sl), realizou, entre os dias 12 e 18 de maio, a Operação Cabo Orange. As ações ocorreram na fronteira do Pará e Amapá com o Suriname e a Guiana Francesa, respectivamente.

Durante os dias de operação, que segue o contexto da Operação Ágata, do Ministério da Defesa, mais de 560 militares e 40 agentes de órgãos de segurança pública e de fiscalização realizaram combates intensificados a ilícitos, como revista a embarcações, veículos e a pessoas, além de revista a acampamentos e rastreamento de garimpos ilegais. Para isso, foram empregadas 37 viaturas, oito embarcações e duas aeronaves. Para controlar as ações, a 22ª Bda Inf Sl montou dois postos de Comando, sendo um em Clevelândia do Norte e outro em Calçoene – ambos no Amapá.

Foram empregadas tropas do 34º Batalhão de Infantaria de Selva (Macapá/AP), do 2º Batalhão de Infantaria de Selva, da 15ª Companhia de Polícia do Exército (Belém/PA), do 24º Batalhão de Infantaria de Selva (São Luís/MA), do 4º Batalhão de Aviação do Exército (Manaus/AM) e da 23ª Companhia de Comunicações de Selva (Marabá/PA). Os militares receberam o apoio da Polícia Militar do Estado do Amapá, da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Secretaria da Fazenda, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis e do Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial do Amapá.

 

Resultados

Além da intensificação da presença do Exército Brasileiro na fronteira, a Operação Cabo Orange desativou a atividade e acampamento de garimpo ilícito, além de uma pista de pouso clandestina. Também apreendeu cargas de pescado e de grude (usado no mercado eletrônico) ilegais e interceptou cargas do entorpecente anfetamina. O material irregular foi entregue aos órgãos competentes.

 

Ação cívico-social

Nos dias 15, 16 e 17 de maio, a 22ª Bda Inf Sl realizou ações cívico-social que levou saúde e civismo aos moradores das localidades de Lourenço, Oiapoque, Vila Vitória e Calçoene, no Amapá. Ao todo, foram realizados mais de 400 atendimentos médicos e odontológicos, além de vacinações, exames rápidos, orientação para saúde bucal e distribuição de medicamentos e de kits odontológicos. Também foram realizadas distribuição de Bandeiras Nacionais, revistinhas do Recrutinha a crianças e brindes a escolas públicas locais.

 

Logística

A Operação Cabo Orange iniciou com o deslocamento de tropas no dia 6 de maio. Os militares do 24º Batalhão de Infantaria de Selva (24º BIS) deslocaram-se por mais de 600 quilômetros até a capital paraense. Desse ponto, com a tropa do 2º Batalhão de Infantaria de Selva, da 15ª Companhia de Polícia do Exército e da 23ª Companhia de Comunicações de Selva, embarcaram no Navio-Auxiliar Pará, do 4º Distrito Naval, até o município de Santana, ao lado de Macapá, em uma viagem de mais de dois dias.

Em Macapá, com as tropas do 34º Batalhão de Infantaria de Selva, os integrantes do 24º BIS deslocaram-se via rodovia até Clevelândia do Norte, em uma viagem de 600 quilômetros. Ao final da Operação, as tropas fizeram o caminho contrário, com os militares do 24º BIS, chegando a São Luís em 24 de maio.

 

Números

Militares empregados 560

Agentes de segurança pública e de órgãos governamentais envolvidos: 40

Viaturas: 37

Embarcações: 8

Aeronaves: 2

Identificação de garimpo ilegal: 1

Acampamento de garimpo ilegal desativado: 1

Pista de pouso clandestina desativada: 1

Pescado ilegal apreendido: 80 kg (que totalizou R$ 1.440,00)

Anfetamina apreendid:- 40 comprimidos (un)

Grude de pescad:- 22,4 kg (ue totalizou R$ 8.000,00)

Reconhecimento em garimpos: 4

Atendimento médico e odontológico em ACISOS em Vila Vitória, Lourenço, Oiapoque e Calçoene: 400

 

Fonte: CMN


Crédito: Comando Militar do Norte