Do campo às mesas nos quartéis: 5ª Região Militar investe em alimentos vindos direto de pequenos produtores


Alimentos passam por inúmeros processos até chegarem no serviço de aprovisionamento dos quartéis

Curitiba (PR) – Uma gama de atividades são desenvolvidas pelas equipes da cadeia da logística de subsistência para alimentar diariamente 16.861 militares que servem nos Estados do Paraná e Santa Catarina. Do levantamento das necessidades, obtenção, armazenamento até a distribuição dos produtos nas 30 organizações militares dos dois estados, muito trabalho é realizado.

Ao mesmo tempo, nas lavouras de pequenos agricultores que participam do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), produtos como arroz, feijão, café, carnes, sucos e leite em pó são cultivados e processados para que a comida seja da melhor qualidade.

A 5ª Região Militar (5ª RM) realizou, com assessoramento técnico da EMATER/PR e EPAGRI/SC, um investimento total de R$ 8,5 milhões, que correspondeu a 34% de todo o recurso empregado na compra de alimentos para suprir os quartéis do Paraná e de Santa Catarina em 2018 oriundos dos pequenos produtores.

Cada agricultor familiar pode comercializar, anualmente, até R$ 20 mil por órgão comprador. Para as cooperativas, o limite de comercialização é de R$ 6 milhões. Todas as chamadas públicas em andamento podem ser encontradas no Portal de Compras da Agricultura Familiar.

 

Do depósito ao rancho

Após o levantamento das necessidades e aquisição dos produtos, a distribuição e armazenamento devem ser rápidos. Entre as melhorias do processo estão obras de adequação no depósito do 5º Batalhão de Suprimentos (5º B Sup), previsto para término ainda neste ano. Até o término das obras, o depósito é terceirizado para que a atividade de suprir não seja comprometida.

Os produtos de consumo são distribuídos às organizações militares que preparam um cardápio semanal. Ele é confeccionado pelo serviço de aprovisionamento de cada quartel e a comida é feita de acordo com a quantidade de militares previstos para consumir naquele dia. O Forte Pinheirinho possui o maior rancho da jurisdição, com 1.300 militares que estão distribuídos nos quartéis do condomínio e alimentam-se em três refeitórios.

 

PASA

Com um trabalho eficaz de Auditoria e Segurança Alimentar (PASA), todas as organizações militares foram submetidas a uma lista de verificação de risco composta por 100 itens e 265 escores.

Na lista de avaliação de risco, são avaliados itens como armazenamento de gêneros; edificações e instalações; equipamentos, móveis, utensílios e higienização; pré-preparo, preparo e distribuição de alimentos; equipe de rancho; qualidade da água potável; controle de pragas e vetores; instalações sanitárias; manejo de resíduos; documentação e ações de fiscalização administrativa.

Foram contempladas com a Certificação Ouro aquelas organizações militares que atingiram conformidade acima de 85%. São elas:

5º Regimento de Carros de Combate: 95,47%

3o Regimento de Carros de Combate: 96,60%

20o Batalhão de Infantaria Blindado: 90,56%

15ª Companhia de Engenharia de Combate Mecanizada: 90,18%

3ª Companhia do 63º Batalhão de Infantaria: 86,97%

13o Batalhão de Infantaria Blindado: 85,44%

 

Também conquistaram a certificação nível prata, com mínimo de 63% de conformidade, outras 19 organizações militares.

Fonte: 5ª RM


Alimentos passam por inúmeros processos até chegarem no serviço de aprovisionamento dos quartéis