CMSE e FIESP se reúnem para discutir parceria de construção do Colégio Militar de São Paulo

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 15 mar 2019
Colégio Militar de São Paulo deverá ser construído em convênio com a Força Aérea Brasileira e o Governo do Estado de São Paulo
Crédito: Divulgação

 

São Paulo (SP) – O Comandante Militar do Sudeste, General de Exército Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, e o General de Brigada Paulo Alipio Branco Valença, Chefe do Estado-Maior do Comando Militar do Sudeste (CMSE), se reuniram, no dia 12 de março, com o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Paulo Antonio Skaf, com o propósito de firmar uma parceria para a construção do Colégio Militar de São Paulo (CMSP), que deve ser instalado no Campo de Marte, no bairro de Santana.
 
Também estiveram presentes na reunião o General de Exército Esper, diretor executivo de gestão da FIESP e o Coronel Demeterco, gerente executivo de gestão da FIESP, bem como a comissão do CMSE de implantação do CMSP.
 
Na oportunidade, verificou-se a viabilidade de apoio da FIESP na consecução do projeto arquitetônico do CMSP.
 
 
 
Colégios Militares
 
Atualmente, o Sistema Colégio Militar do Brasil (SCMB) é formado por 12 Colégios Militares, que oferecem o ensino fundamental (do 6º ao 9º ano) e o ensino médio. Esses estabelecimentos de ensino, localizados em vários Estados do Brasil, propiciam educação de alta qualidade a aproximadamente 15 mil jovens.
 
Há duas formas de ingresso nos Colégios Militares: por concurso público e por amparo regulamentar. Os concursos são realizados, anualmente, para o 6º ano do ensino fundamental e para a 1ª série do ensino médio. A cada ano, concorrem, em média, 22 mil candidatos, entre dependentes de militares e civis.
 
O ingresso por amparo, especificado em regulamento, destina-se a atender os dependentes de militares, que sofrem os reflexos das obrigações profissionais dos pais em razão das peculiaridades da carreira.



Fonte:CMSE

Colégio Militar de São Paulo deverá ser construído em convênio com a Força Aérea Brasileira e o Governo do Estado de São Paulo

Crédito: Divulgação