Ensino de qualidade: Comandante do Exército assina portaria de criação do Colégio Militar de São Paulo


Crédito: Sd Costa Martins

São Paulo (SP) – Em formatura realizada no Espaço Cultural do Comando Militar do Sudeste (CMSE), o Comandante do Exército, General de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, assinou, no dia 9 de outubro, a portaria de criação do Colégio Militar de São Paulo, que funcionará nas dependências do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva de São Paulo (CPOR/SP), a partir de 2020.

A solenidade contou com a presença do General de Exército Mauro Cesar Loureno Cid, Chefe do Departamento de Educação e Cultura do Exército; do General de Exército Artur Costa Moura, Chefe do Departamento-Geral do Pessoal; do General de Exército Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira, Comandante Militar do Sudeste; do General de Exército Antônio Gabriel Esper, antigo Comandante Militar do Sudeste; do General de Exército João Camilo Pires de Campos, antigo Comandante Militar do Sudeste; do General de Divisão Adalmir Manoel Domingos, Comandante da 2ª Região Militar; do General de Divisão Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva, Chefe do Gabinete do Comandante do Exército; do General de Divisão André Luis Novaes Miranda, Comandante da 2ª Divisão de Exército; e do General de Divisão Flavio Marcus Lancia Barbosa, Diretor de Educação Preparatória e Assistencial; além de autoridades civis e militares e de alunos do Colégio Militar do Rio de Janeiro.

O Sistema Colégio Militar do Brasil é formado por 13 Colégios Militares, que oferecem o Ensino Fundamental (do 6º ao 9º ano) e o Ensino Médio. Esses estabelecimentos de ensino, localizados em vários Estados do Brasil, propiciam educação de alta qualidade a aproximadamente 15 mil jovens, filhos de civis e militares.

Há duas formas de ingresso nos Colégios Militares: por concurso e por amparo regulamentar. Os concursos são realizados, anualmente, para o 6º ano do Ensino Fundamental e para a 1º ano do Ensino Médio, sendo que, a cada ano, concorrem, em média, 22 mil candidatos, dentre dependentes de militares e civis. O ingresso por amparo, especificado em regulamento, destina-se a atender aos dependentes de militares, que sofrem os reflexos das obrigações profissionais de transferências dos pais, em razão das peculiaridades da carreira.



Fonte:CMSE

Crédito: Sd Costa Martins