Imensurável valor histórico: Museu abriga rico acervo da história da Força Expedicionária Brasileira.

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 15 set 2017
Crédito: Cb Rafael Silva (2ª DE)

Barueri (SP) – As luzes do sol insistem em atravessar a cortina e adentrar a sala. O recinto é aconchegante e cheira a história. O Museu do 20° Grupo de Artilharia de Campanha Leve (20° GAC L) guarda um acervo de imensurável valor histórico, e o ambiente, sem que você perceba, te leva por uma viagem no tempo. Ali estão materiais diversos, espólios da Segunda Guerra Mundial, na qual o Brasil combateu ao lado dos Aliados. Nosso País enviou, entre 1944 e 1945, mais de 25 mil militares, que combateram sob os céus italianos e sobre o solo europeu, onde enfrentaram os exércitos nazifascistas.

Ao entrar no museu, o visitante se depara com uma Bandeira do Brasil. O estado do Estandarte entrega sua idade: ele foi hasteado em terras italianas por militares do então III Grupo 105mm da Força Expedicionária Brasileira (FEB), que originou o 20° GAC L. Pouco mais abaixo, é possível ver um estandarte nazista através do tampo de vidro que o protege. Este não foi, contudo, o único espólio de guerra que os artilheiros do III Grupo trouxeram da Itália. Em mesas, nos cantos da sala, há fardamento, medalhas, capacetes, armamento e munição alemães. Mesmo sem alguém para guiar a visitação, os recortes de jornais da época, expostos no museu, fazem as vezes da casa, contando a história dos combatentes brasileiros.

Há ainda muito material de campanha brasileiro: no centro da sala, destaque para um morteiro de 105mm, utilizado pelos pracinhas durante o conflito. Além disso, diplomas, capacetes, fotos, medalhas, fardamento, material de enfermagem, inclusive uma cadeira de atendimento odontológico, estão guardados no museu, como relíquias de um tempo distante, mas ainda muito exaltado dentro da caserna. Chama atenção, também, a exposição de uma ferramenta fundamental no serviço do artilheiro em campanha: uma central telefônica de 12 canais, utilizada para realizar a comunicação entre a central de tiro e a linha de fogo do Grupo na Segunda Guerra.

Todo esse tesouro está à disposição do público. O museu abre de segunda a quinta-feira, das 10h às 16h, e às sextas-feiras das 10h às 12h. Para visitá-lo, basta realizar um agendamento com a Seção de Comunicação Social do 20° GAC L, por meio do telefone (11) 4201-8041 ou pelo e-mail comsoc20gacl@gmail.com.

 

 

 



Fonte:2ª DE

Crédito: Cb Rafael Silva (2ª DE)