Curaretinga traz mais que um “Braço Forte” à população

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 20 jul 2017

Barcelos (AM) – Com a finalidade de manter a missão constitucional de defesa externa do País, o Exército Brasileiro, por intermédio do 3º Batalhão de Infantaria de Selva (3º BIS), prossegue com as ações intensivas na região da fronteira, durante a Operação Ágata, Nível II, e dentro do contexto da Operação Curaretinga. Além da defesa da Pátria, entre os dias 10 a 14 de julho, ocorreu, ainda, uma ação cívico-social (ACISO) direcionada à população residente nas localidades abrangidas pela Operação.

A Curaretinga teve como objetivo intensificar a presença do Estado na região de fronteira da área de responsabilidade do 3º BIS, com ações de prevenção e repressão a ilícitos transfronteiriços e ambientais, além de reforçar, junto à população, o sentimento de nacionalismo e de defesa da Pátria. Delitos como narcotráfico, contrabando e descaminho, tráfico de armas e munições, crimes ambientais, imigração e garimpo ilegais são os mais combatidos.

A ACISO levou atendimento médico e odontológico, além de distribuição de medicamentos, às comunidades indígenas de Missão de Mariuá, Xamatá, Tapera e Cartucho no Município de Santa Isabel do Rio Negro. As crianças receberam, também, exemplares da revista “Recrutinha”. Cada líder de comunidade recebeu, ainda, um álbum do Exército Brasileiro e uma Bandeira Nacional.

 

A Operação Ágata

Com quase 17 mil quilômetros de fronteira terrestre em todo o brasil, as ações para manter a segurança são uma constante, por isso, a Operação Ágata ocorre desde 2011, sob a coordenação do ministério da Defesa, em ações conjuntas entre as três Forças Armadas e órgãos de segurança pública. A Ágata integra o Plano Estratégico de Fronteiras, do Governo Federal, e visa prevenir e reprimir ações de criminosos na divisa do Brasil com os seus dez países limítrofes.

No mês de novembro de 2016, por intermédio do Decreto Presidencial nº 8.903, ficou instituído o Programa de Proteção Integrada de Fronteiras, que estabelece novas linhas de atuação das Forças Armadas na linha de fronteira, afetando diretamente a Ágata e, por consequência, a Operação Curaretinga, levada a cabo pelo 3º BIS.

A integração das Forças Singulares, com órgãos de segurança pública, órgãos de inteligência e a Secretaria da Receita Federal é um dos elementos dessa “nova” Operação Ágata e tem por finalidade fortalecer ainda mais as atividades desenvolvidas nessas operações fronteiriças.



Fonte:Agência Verde-Oliva