Operação "Ares": Simulação na Artilharia de Campanha


Publicação: Seg, 19 Jun 2017 16:04:00 -0300

Santa Maria (RS) – No período de 22 a 26 de maio, foi desencadeada, nas instalações do Simulador de Apoio de Fogo do Centro de Avaliação de Adestramento Sul, em Santa Maria (RS), a Operação "Ares". Com a atividade, foi possível, pela primeira vez, exercitar as ações de planejamento e coordenação de fogos desde o nível Força Terrestre Componente (FTC) até o nível Grande Unidade, pela ativação doutrinária do Comando de Artilharia da Força Terrestre Componente (CAFTC), a partir do Comando de Artilharia do Exército (Cmdo Art Ex).

Essa foi a oportunidade de reunir mais de 40 oficiais de artilharia para discutir novas demandas doutrinárias inseridas em diversos manuais do Ministério da Defesa e do Exército Brasileiro, sobretudo o novo manual de Planejamento e Coordenação de Fogos, em estágio final de homologação pelo Centro de Doutrina do Exército.

Assuntos como a busca de alvos, a coordenação de meios não-cinéticos, o tiro em área humanizada, o emprego dos mísseis, foguetes e munições especiais, a coordenação do espaço aéreo, o novo fluxo de planejamento (D3A – decidir, detectar, disparar e avaliar) e seus documentos correlatos foram amplamente estudados e discutidos.

Devido ao processo de reestruturação pelo qual o Sistema de Artilharia de Campanha vem passando, a Operação Ares trabalhou já com um Sistema de Artilharia de Campanha moderno e reformulado. O emprego de obuseiros de 39 calibres, com sistema de navegação e controle de tiro, com fluxo digital de dados entre diversos subsistemas, permite diferencial rapidez na abertura do fogo, obtendo tiros mais profundos, mais letais e com maior precisão. Isso tudo demanda a compulsória atualização do conhecimento pelos profissionais de Artilharia do Exército Brasileiro.

Durante a Operação, foram trabalhados aspectos relevantes, como modernidade, doutrina, rapidez, adestramento, letalidade e precisão, para a busca do Sistema de Artilharia de Campanha que se deseja para a Força Terrestre Brasileira.

Coordenada pelo Cmdo Art Ex, a Operação reuniu, ainda, o Comando da Artilharia Divisionária da 3ª e da 5ª Divisão de Exército (AD/3 e AD/5); o 6º Grupo de Mísseis e Foguetes; o 3° e o 16º Grupo de Artilharia de Campanha Autopropulsado; o 6º e o 13º Grupo de Artilharia de Campanha; além de representantes do Comando de Operações Terrestres (COTer), do Centro de Instrução de Blindados e da ALA 4, da Força Aérea Brasileira.

Fonte: Cmdo Art Ex