Entrega do facão carcará aos combatentes da Caatinga

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 01 fev 2021
Crédito: Ten Rosário

Recife (PE) – No dia 27 de janeiro, oficiais e praças das organizações militares da guarnição de Recife participaram da cerimônia de entrega do “Facão do Carcará”, realizada pela primeira vez fora da guarnição de Petrolina (PE). Os símbolos que representam  a mística do combatente de caatinga foram transportados especialmente para o local do evento, organizado pelo 72° Batalhão de Infantaria Motorizado, “A Casa do Combatente de Caatinga”, para militares possuidores do Estágio de Adaptação e Operações na Caatinga.

Entre os participantes, estiveram presentes o Chefe do Estado–Maior do Comando Militar do Nordeste, General de Brigada Alcio Alves Almeida e Costa, e o Comandante da 10ª Brigada de Infantaria Motorizada (10ª Bda Inf Mtz), General de Brigada Alexandre Oliveira Cantanhede Lago.  A solenidade aconteceu na sede da 10ª Bda Inf Mtz.

O Facão é um dos símbolos que compõe a mística em torno dos guerreiros que combatem sob o sol forte de um dos ambientes mais inóspitos do mundo, a Caatinga. É concedido, exclusivamente, aos militares que concluíram com aproveitamento os Estágios realizados no Centro de Operações da Caatinga (CIOpC).

O ‘‘Facão do Carcará’’ é composto de uma lâmina fabricada em aço cromo molibdênio inoxidável. Carrega no pomo a cabeça de um carcará, ave de rapina que domina os céus da paisagem sertaneja age com perspicácia e oportunidade em seu instinto de sobrevivência, conseguindo resistir às agruras impostas pelo sol.  Encravado em sua cruzeta, está o símbolo do então primeiro Curso do Operações na Caatinga, realizado em 2005, com o carcará ao centro, o escudo reluzente como  o sol, com xique-xique nas laterais simbolizando a vegetação e com uma estrela em cima do escudo simbolizando o estabelecimento de ensino.

Tais características servem de inspiração para o espirito audaz que permeia os ideais do combatente de caatinga e o aproximam também da simplicidade dos humildes conhecedores desta rica paisagem seca. ‘‘Onde estão os fortes? Caatinga!  Sertão!”

Fonte: 72° BIMtz