Comando Conjunto do Sudeste é ativado em São Paulo para enfrentamento ao novo coronavírus

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 31 mar 2020
Crédito: Sd Ivonildo

São Paulo (SP) - Desde o dia 20 de março, Marinha, Exército e Aeronáutica atuam coordenados em função da ativação de um Centro de Operações Conjuntas (COC), situado no Ministério da Defesa (MD), em Brasília (DF), e dez Comandos Conjuntos, distribuídos por todo o território nacional, para atuar na coordenação e planejamento do emprego das Forças Armadas no combate ao novo coronavírus (Covid-19).

O Comando Conjunto do Sudeste (CCS), abrangendo o Estado de São Paulo, é comandando pelo Comandante Militar do Sudeste, General de Exército Marcos Antonio Amaro dos Santos, e tem como Chefe do Estado-Maior o Major Brigadeiro do Ar Ricardo Augusto Fonseca Neubert. Já o Comandante da 2ª Divisão de Exército, General de Divisão José Eduardo Pereira,  foi designado Subcomandante e Chefe de Operações do CCS.

O Centro de Coordenação de Operações (CCOp) da Operação Covid-19 já está ativado na sede do Quartel-General do Comando Militar do Sudeste (CMSE), em São Paulo, e conta com representantes de agências federais, estaduais e municipais: Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Agência Brasileira de Inteligência, Secretarias Municipal e Estadual de Saúde, Defesa Civil, Polícia Militar do Estado de São Paulo, Secretaria Municipal de Segurança Urbana e Secretaria Municipal de Mobilidade e Transporte, que compõem o Estado-Maior do CCS.

A ativação do CCS garante a interação das Forças Armadas com outras agências, para conciliar interesses e coordenar esforços para prevenção e combate à pandemia de Covid-19, evitando a duplicidade de ações, dispersão de recursos e a divergência de soluções, propiciando com eficiência, eficácia, efetividade e menores custos, atuando como catalisador da união de esforços para a proteção e o fortalecimento do moral da sociedade brasileira.

Operação Covid-19

Os Comandos Conjuntos têm como missões: apoiar os Órgãos de Segurança Pública no controle de acesso às fronteiras; empregar os meios de Defesa Biológica, Nuclear, Química e Radiológica (DBNQR) para descontaminação de material, em coordenação do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas; empregar pessoal militar e servidores civis em campanhas de conscientização; apoiar com meios de transporte, fornecimento de alimentação e alojamento para as equipes envolvidas; estabelecer ligações com os órgãos estaduais responsáveis pelas ações sanitárias; e apoiar a triagem de pessoas com suspeitas de infecção para posterior encaminhamento aos hospitais.

Fonte: CMSE


Crédito: Sd Ivonildo