5º Batalhão de Infantaria Leve realiza 1º Simpósio de História Militar do Vale do Paraíba

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 13 ago 2019

Lorena (SP) – Entre os dias 6 e 9 de agosto, ocorreu, no 5º Batalhão de Infantaria Leve, o 1º Simpósio de História Militar do Vale do Paraíba, tendo como tema, "A revolução Constitucionalista de 1932".

Durante a programação, o Coronel R1 Carlos Daróz, que é historiador militar, professor, pesquisador e oficial de Artilharia da reserva do Exército, discorreu sobre as primeiras experiências de implantação da Aviação no Brasil, citando a criação do Aeroclube do Brasil e da Escola Brasileira de Aviação e a formação dos primeiros militares como pilotos: o tenente da Marinha Jorge Henrique Moller (em 1911, na França) e o tenente Ricardo Kirk (em 1912, também na França), hoje patrono da Aviação do Exército.

O Cel R1 Daróz explanou ainda sobre as atuações das aviações paulista e federal, principalmente no Vale do Paraíba, onde existiram campos de pouso implantados pelos constitucionalistas em Lorena (na localidade do Horto Florestal, antiga Sementeira e hoje denominada Floresta Nacional), em Guaratinguetá e Taubaté, enquanto as forças federais operavam no campo avançado construído em Resende, na antiga Fazenda Castelo, em terras onde atualmente fica a Academia Militar de Agulhas Negras (AMAN).

 

Acervo histórico

O pesquisador e gestor de um acervo de itens históricos, localizado na cidade de Piquete, Senhor José Maria de Azevedo Paiva, falou de fatos e equipamentos empregados na Revolução de 32, enfatizando a rapidez com que organizações paulistas, durante os praticamente três meses do conflito, conceberam, fabricaram ou montaram equipamentos de suporte e de combate, como um trem blindado, barco blindado, suportes para adaptação de canhões e metralhadoras e até o projeto e montagem de armamentos e munições. Materializando sua fala, José Maria, apresentou uma exposição mostrando aspectos militares históricos, por meio de cartazes, além de rica coleção de objetos da Revolução de 32.

 

Museu

A coleção de peças relacionadas à Revolução Constitucionalista é apenas uma parte do acervo conquistado pelo pesquisador, que inclui, ainda, material da Segunda Guerra Mundial e da Missão de Paz no Haiti, principalmente na parte relativa aos soldados do Vale do Paraíba. Os itens comporiam um museu, ideia acalentada por José Maria, enquanto aguarda, com as peças embaladas, manifestação de autoridades responsáveis pela cultura das cidades da região, que se dispusessem a prover espaço para montagem e exposição definitiva do acervo.

 

Monumento e expedição

O penúltimo dia do I Simpósio de História Militar do Vale do Paraíba foi seguido por uma solenidade noturna no pátio interno do 5º BIL, que passa a ser denominado de "Pátio Capitão Manuel de Freitas Novaes Neto", e inauguração de um monumento em honra aos que lutaram na Revolução de 32, composto por um fuzil cravado numa rocha e recoberto por um capacete peculiar empregado pelos paulistas. O simpósio se encerrou-se no dia 9 de agosto de 2019, com uma expedição ao Túnel da Mantiqueira, em Cruzeiro (SP), local de passagem dos trens que ligavam Minas Gerais a São Paulo e palco de batalhas entre as forças antagônicas naquele movimento.

Fonte: 5º BIL