Heróis do Traíra: 27 anos se passaram, mas suas ações em defesa da Nação perduram na memória de todos.

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 06 mar 2018

Tabatinga (AM) – No dia 2 de março, foi realizada a tradicional cerimônia no Comando de Fronteira Solimões/8º Batalhão de Infantaria de Selva (CFSol/8º BIS), em homenagem aos heróis que tombaram no Destacamento de Fronteira Traíra, em 1991.

A homenagem marca os 27 anos da tragédia, em que militares do 8º BIS foram mortos após um ataque surpresa, às margens do Rio Traíra, por guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). Os heróis também foram lembrados em uma bonita homenagem realizada no 3º Pelotão Especial de Fronteira, situado na Vila Bittencourt (AM), onde foi destaque a entrega de um monumento confeccionado em memória dos militares participantes do episódio.

Prestigiaram a cerimônia militares da reserva que pertenciam ao “Destacamento Traíra”, autoridades civis e militares e as famílias dos soldados homenageados, vítimas dessa ação: Sidmar Fonseca Moraes, Sansão Ramos Gonçalves e Aldemir Lopes de Almeida.

A ferro e fogo, o juramento à Bandeira Nacional, que todo militar do Exército Brasileiro declama solenemente ao transpor os portões da caserna, é colocado à prova: “defender a Pátria, se preciso for, com o sacrifício da própria vida”.

 

 

O que se passou no Rio Traíra, há 27 anos

Em 26 de fevereiro de 1991, às margens do Rio Traíra, no Estado do Amazonas, a nação perdeu três de seus heróis, em nome da Pátria. Os militares tombaram em combate, ao defenderem o território brasileiro de integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), durante o atentado ao Destacamento Traíra, na fronteira do País. Além dessas baixas, outros nove militares se feriram e os narcotraficantes roubaram armas, munições e equipamentos.

 

 

 



Fonte:CFSol/8º BIS e Agência Verde-Oliva