Histórico

                            

 

A Revista Verde-Oliva é um produto de mídia impressa do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx). Caracteriza-se como uma revista cultural e informativa, que mantém, pela publicação de notícias e artigos, o público em geral informado sobre a atuação do Exército Brasileiro (EB) e de suas organizações militares (OM) nas várias atividades inerentes à Instituição, particularmente nas áreas social, comemorativa, assistência social, esportiva e organizacional.

 

Foi criada em 23 de maio de 1973, na forma de tabloide, com o nome de “O Verde-Oliva” e era editada pelo Centro de Relações Públicas do Exército. A partir de 1976, competiu à Assessoria de Relações Públicas, precursora do CCOMSEx, a responsabilidade de publicar e divulgar o informativo.

 

Após 5 anos de circulação, “O Verde-Oliva” sofreu algumas transformações e, a partir de junho de 1978, iniciou uma nova fase com edições mais frequentes e sem qualquer ostentação. Em uma simples publicação em duas cores, procurava estreitar o contato com o público interno, mantendo-o informado a respeito das realizações do EB, das pesquisas em curso e sobre as medidas que visavam ao reaparelhamento da Força Terrestre.

 

A partir da década de 1980, passou a circular com oito números regulares e quatro especiais, sendo estes últimos comemorativos do Dia da Vitória (8 de maio), do Dia do Soldado (25 de agosto), do Dia do Aviador (23 de outubro) e do Dia do Marinheiro (23 de dezembro). Foi durante esse período que começaram a circular algumas edições parcialmente coloridas que, além de divulgar as realizações do EB, procuravam aproximar os integrantes de outras Forças e complementavam, de certa forma, o Noticiário do Exército.

 

Com base em pesquisa de opinião e nas mais modernas técnicas de comunicação social da época, a partir da edição de nº 73, o CCOMSEx, na condição de órgão responsável pela redação de “O Verde-Oliva”, resolveu mudar o visual desse informativo. Junto com o novo visual, seguia a recomendação de que deveria circular, ser mostrado, ficar exposto e não ser arquivado ou colecionado, como estava ocorrendo.

 

O Verde-Oliva de nº 77, de agosto de 1982, apresentou uma edição especial em cores, que teve o maior número de páginas de toda a sua história. Eram vinte páginas de assuntos de natureza militar, que também procuravam agradar o leitor civil.

 

Em 1983, ao comemorar o seu décimo aniversário e com o objetivo de conquistar novos leitores, foram completamente aprimorados: a redação de textos, os desenhos, as fotografias, a diagramação, a periodicidade, o aumento para 16 páginas e a divulgação de novas ideias. Tudo isso estimulava o maior objetivo do CCOMSEx: transformar o informativo em revista.

 

Ao comemorar 12 anos de existência, possuía uma boa aceitação, traduzida em uma tiragem de 15 mil exemplares. Porém mantinha as mesmas diretrizes que nortearam os trabalhos da primeira edição de maio de 1973: estabelecer mais um meio de contato com todos os quadrantes do País e divulgar a verdadeira imagem do EB.

 

A partir da edição de nº 114, de dezembro de 1985, fruto de uma decisão amadurecida e alicerçada nos anseios, nas necessidades e na imensa vontade de tornar este veículo de comunicação social mais atrativo, cultural, moderno e dinâmico, surgiu a “Revista Verde-Oliva”, com uma tiragem de 50 mil exemplares, periodicidade quadrimestral e com 34 páginas.

 

Em janeiro de 1985, passou a ser bimestral, buscando cumprir com mais eficiência sua missão de divulgar as atividades profissionais, por meio de uma edição mais frequente, com maior número de páginas e maior tiragem.

 

Até 2001, sofreu oscilações em sua periodicidade, em virtude de entraves administrativos que atrapalhavam a sua publicação nas datas previstas. Com a entrada em vigor da Portaria nº 402, de 16 de agosto de 2001, foi mantida a regularidade em suas edições normais e especiais, de modo a cumprir de forma exemplar a sua importante função de comunicação social.

 

Em novembro de 2007, o CCOMSEx realizou, junto ao público interno, uma pesquisa de opinião sobre a “Revista Verde-Oliva”, tendo obtido a seguinte avaliação em um total de 1.308 votos:

Excelente: 27%;

Muito Bom: 51%;

Bom: 18%;

Regular: 3%; e

Insuficiente: 1%.

 

O resultado acima foi corroborado por pesquisa realizada pela Editora Abril/SENSUS, de 12 a 15 de novembro de 2007, e publicada na Revista VEJA, de 28 de novembro de 2007, que divulgou o seguinte resultado:

Ótima: 32,6%;

Boa: 51%;

Regular: 18%;

Péssima: 3%; e

NS/NR: 5,5%.

 

Em julho de 2010, a “Revista Verde-Oliva” recebeu o International Standart Serial Number (Número Internacional para Publicações Seriadas) ISSN 2178 – 1265. O ISSN é o código aceito internacionalmente para individualizar o título de uma publicação seriada. Entre os editores, ele facilita a identificação rápida e precisa de suas publicações, entre outras vantagens.

 

Com o emprego de recursos tecnológicos, as seguintes medidas administrativas foram tomadas para que as notícias possam chegar a maior número de leitores:

 

- tiragem entre 10 e 30 mil exemplares, trimestralidade e publicação colorida;

 

- disponibilização da versão digital na página do Exército – www.eb.mil.br; e

 

- a partir de 2013, uso da página de hospedagem CALAMEO, na qual o leitor pode consultar e imprimir total ou parcialmente a Revista.

 

- em 2017, a revista passou a dispor de conteúdo interativo em vídeo e áudio, além de uma página digital, bastando o leitor clicar nos botões indicados dentro da matéria na revista digital ou fazer a leitura do QR Code específico com qualquer dispositivo que esteja conectado à Internet.

 

Em 2020, foi lançada a primeira Revista Verde-Oliva com versão parcial em inglês, criando melhores condições para os militares do Exército Brasileiro, comissionados junto às representações diplomáticas, promoverem a interlocução entre a Força que representam e as congêneres dos países em que atuam.

 

Hoje, usufruindo de meios modernos que a tecnologia pode proporcionar, a equipe da Revista Verde-Oliva tem procurado aprimorar as novas edições e busca inspiração no legado de trabalho deixado pelos seus antecessores, com a firme determinação de que o EB conserve a credibilidade e o prestígio que desfruta junto aos públicos interno e externo.