Rondônia ganha o “Memorial Rondon, o Marechal da Paz”

 

Porto Velho – No dia 10 de dezembro, foi inaugurado o “Memorial Rondon, o Marechal da Paz”, em comemoração ao sesquicentenário do Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon (1865-2015) e ao centenário da Linha Telegráfica Estratégica de Cuiabá a Santo Antônio do Madeira (1915-2015). A atração turístico-cultural tem o objetivo de prestar mais uma justa homenagem ao Patrono das Comunicações e um dos personagens mais importantes da história nacional e rondoniense, contando, em detalhes, a saga do excursionista que interligou o Brasil com linhas telegráficas.

 

O Memorial, construído ao longo de aproximadamente 11 meses de trabalho, foi implantado pela 17ª Brigada de Infantaria de Selva e é, hoje, o maior acervo sobre Rondon em exposição no País. Participaram desse projeto, junto com a Brigada, a Assembleia Legislativa do Estado; a Superintendência Estadual da Juventude, da Cultura do Esporte e do Lazer; a Superintendência Estadual de Turismo; as empresas Santo Antônio Energia; a Termonorte Energia; a Memória Civelli;  além de outras agências governamentais e de outros parceiros.


A área escolhida para a montagem desse espaço de estímulo à cultura e de valorização de nossa história foi a localidade de Santo Antônio do Madeira (Porto Velho), onde Rondon concluiu, há um século, a Linha Telegráfica.


Trata-se de um projeto “cinefotobiográfico” que mostra a vida e a obra de Rondon (1865-1958) por meio de projeções de documentários e traz, dentre muitas outras exposições, cenas originais da Comissão Rondon (1912-1930) e filmes dirigidos e produzidos por Mario Civelli. O visitante também poderá apreciar painéis de fotos raras (1880-1958); textos que assinalam a participação dessa personalidade em fatos históricos importantes; recriações cenográficas feitas a partir de fotos do cotidiano das expedições da Comissão Construtora de Linhas Telegráficas Estratégicas; maquetes de postos telegráficos construídos no Estado de Rondônia e do “tacos do Amarante”; mapas históricos; fotos de família; pôsteres e fotos históricas de Porto Velho e da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré; documentos; e cartas.


Encontram-se expostas, também, réplicas de materiais de acampamento, um telégrafo da época em pleno funcionamento, uma cabana típica e maquetes. Todo esse acervo revela as condições e os desafios pelos quais os desbravadores tiveram de passar nessa aventura de interligar a fronteira oeste ao restante do País.


Rondon é o único brasileiro a dar nome a um Estado e a um meridiano terrestre (o de número 52, que se chama Meridiano Rondon), além de ter o seu nome gravado em letras de ouro na Sociedade de Geografia de Nova York, dentre os cinco maiores exploradores do planeta e o que mais se aventurou por terras tropicais.

 

 

Fotos: 17ª Brigada de Infantaria de Selva 

Fonte:17ª Bda Inf Sl
Publicado:$pubDate