Publicador de conteúdo web

Retornar para página inteira
Aos 37 anos, é hora de Pará
13 jul 2011

JOGOS MUNDIAIS MILITARES

Sargento Rogério Ferreira, campeão do Circuito Mundial de Vôlei de Praia em 1998, anuncia que, caso conquiste medalha de ouro, encerrará a carreira. Disputa da modalidade começará domingo, em Copacabana
Victor Costa
victor.costa@oglobo.com.br

O vôlei de praia nos Jogos Mundiais Militares começar á d o m i n g o , n a arena montada na altura do Posto 2 de Copacabana. Este pode ser o palco de despedida de um dos maiores nomes brasileiros da modalidade. O 3º sargento Rogério de Souza Ferreira é mais conhecido como Pará e fez história ao ser o campeão da primeira edição do Campeonato Mundial de Vôlei de Praia, em 1997, em Los Angeles (EUA). O jogador de 37 anos anunciou que irá se aposentar caso conquiste a medalha de ouro no Rio.
— Se não conseguir o objetivo, vou continuar até achar um momento oportuno para parar. Acho importante terminar a carreira com um título.

100% de aproveitamento
Nascido em Belém do Pará, o que explica o apelido, o jogador começou no vôlei de praia aos 19 anos e, desde então, já jogou com os principais nomes brasileiros: Tande, Emanuel, Pedro Cunha, Harley e outros. Mas, foi com a dupla Guilherme/Pará, no final dos anos 90, que o atual sargento fez mais sucesso. Além do título em 1997, os dois também conquistaram o Circuito Mundial, no ano seguinte, quando venceram quatro etapas.
— Foram tantos parceiros que fica difícil lembrar todo mundo. Mas, agora a minha dupla é o Beto — disse Pará, ao apresentar o 3o- sargento Roberto Lustosa Pitta.
Beto, de 24 anos, também foi incorporado ao Exército por causa dos Jogos Militares. O jogador disputa regularmente o Circuito Brasileiro, principal torneio nacional, no qual foi eleito revelação em 2008. Os dois jogam juntos desde janeiro de 2010. Apesar de não terem ido bem nas competições profissionais, os dois são imbatíveis no mundo militar: ganharam todos os torneios que disputaram.
— Em nossas únicas experiências, fomos bicampeões do Torneio Europeu, realizado em Warendorf, na Alemanha, em 2010 e 2011. Mas sabemos, que nos Jogos, o nível será mais alto — disse Pará.

Adversários desconhecidos
Apesar do 100% de aproveitamento nos torneios militares, os dois ainda não sabem muito o que esperar dos adversários. Ao olhar a listagem das duplas que estão nos Jogos, Pará não conhecia qualquer nome. Nem a internet conseguiu ajudá-lo. A única informação obtida foi que um chinês já disputou o Circuito Mundial. Apesar de desconhecidos, os Estados Unidos também são apontados favoritos.
Se descobrir informações sobre os adversários é difícil, o contrário é fácil. Beto acredita que os outros países enfrentarão o Brasil já sabendo os pontos fortes e fracos:
— Mesmo que eles não conheçam a gente, é só colocar o nome do Pará no computador, que é possível achar diversos vídeos dele jogando.
No vôlei de praia dos Jogos Militares, o Brasil, além de Beto/Pará, terá mais uma dupla no masculino: Bernardo/Jan. O primeiro começou nas quadras e depois foi para a areia, onde conquistou alguns títulos nacionais. Jan é irmão de Pará. Depois de ter ficado um tempo parado, voltou ao circuito nacional em 2004.
O Brasil também terá duas duplas no feminino Ângela/Vale Camila/Raquel. Todas já jogavam profissionalmente o esporte, antes de serem incorporados ao Exército para a disputa dos Jogos Militares.