Publicador de conteúdo web

Retornar para página inteira
Fissura em usina belga alarma argentinos
23 Ago 2012

 

Atucha I, próxima a Buenos Aires, foi construída por mesma companhia; governo minimiza risco nuclear

Janaína Figueiredo

Correspondente

 

BUENOS AIRES Um dia após ONGs de defesa do meio ambiente alertarem para o risco de acidentes na central nuclear Atucha I, a 100km de Buenos Aires, autoridades argentinas comunicaram que as últimas inspeções, em abril passado, "mostraram resultados satisfatórios". Após a descoberta de falhas no reator Doel-3 na Bélgica, fabricado pela mesma empresa holandesa contratada pelos argentinos, Atucha I foi incluída pela Agência de Energia Nuclear (AEN), vinculada à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em uma lista de 22 usinas em sete países - Suécia, Suíca, Alemanha, Espánha e EUA, além de Bélgica e Argentina - que devem ser inspecionadas para determinar se apresentam o mesmo problema.

Em julho, foram encontradas fissuras em vasos de pressão do reator belga que poderiam ter sido provocadas por deficiências no processo de fabricação ou nos materiais usados pela empresa Rotterdamsche Droogdok Maatschappij (RDM).

Oito dias após receber um pedido formal de informações do Greenpeace e da Fundação Ambiente e Recursos Naturais (Farn), a Autoridade Regulatória Nuclear (ARN) buscou tranquilizar a população, destacando as diferenças entre o reator belga e Atucha I. Fontes do organismo asseguram quenão há motivos para medo.

- As fissuras encontradas no reator belga são mínimas e não houve emissão de radioatividade. Mesmo assim, o protocolo diz que é necessário determinar o que houve - explicou a fonte ao GLOBO, pedindo para não ser identificada.

A serenidade das autoridades argentinas contrastou com a forte preocupação de ONGs locais. Para Mauro Fernández, representante do Greenpeace, os governos tendem a esconder informação nuclear para depois lamentar catástrofes como a do Japão, em 2011.

- Os riscos são muito grandes, estimamos que 22 milhões de pessoas vivem a menos de 300km de Atucha I - disse. - Se o reator belga apresentou fissuras, é fundamental saber em que condição está o reator argentino e, para isso, queremos saber qual é a estratégia da ARN.

O alerta mobilizou os argentinos nas redes sociais.

Atucha I começou a funcionar em 1974, sendo a central atômica mais antiga da América Latina. Há outras duas usinas nucleares no país: Embalse, na província de Córdoba, e Atucha II, próxima à cidade de Zárate, na província de Buenos Aires.

- As fissuras encontradas na Bélgica não representam um risco de ruptura do reator, as usinas podem continuar funcionando normalmente - explicou o ex-diretor de Atucha I, Alfredo Fernández Franzini.