Missões de Paz

Missão das Nações Unidas na Libéria (UNMIL)

Desde o início da década de 80, a Libéria vinha sendo assolada por um sequência de 2 guerras civis que destruíram a incipiente infraestrutura do país e custou a vida milhares de liberianos.

Em 2003, a ECOWAS (Comunidade Econômica da África Ocidental) interveio com o envio de tropas e pôs fim ao conflito que durava décadas.

Assim sendo, em 19 de setembro de 2003, o Conselho de Segurança da ONU estabeleceu a Missão das Nações Unidas na Libéria (UNMIL), por intermédio da Resolução n°1509, para apoiar a implementação do acordo de cessar-fogo e o processo de paz; proteger pessoal e instalações das Nações Unidas (e, dentro de suas possibilidades, a população civil sob ameaça física); prestar apoio humanitário e desenvolver atividades relacionadas aos direitos humanos; colaborar na reforma da segurança nacional, inclusive no treinamento da polícia, e na formação e reestruturação de novas Forças Armadas.

No mandato foi decidido que a UNMIL seria constituída por até 15.000 militares, incluindo 250 observadores militares (UNMOs) e 160 Oficiais de Estado-Maior (Staff Officers), e, também, por até 1.115 policiais civis (UNPOL), em cujo montante estavam incluidas Unidades Policiais Formadas (FPU), cujo principal objetivo era ajudar na manutenção da lei e da ordem em toda a Libéria.

Hoje em dia, a missão encontra-se na 3ª fase de um drawdown, ou seja, está sendo reduzida gradativamente. Pemanece no país um contingente de 5.879 militares, incluindo 133 observadores militares e 82 Oficiais de Estado-Maior, além de 1.313 policiais e 1.690 civis. A previsão é de que, em Junho de 2015, o Componente Militar seja reduzido para o efetivo de 3.713.

Os processos de desmobilização, desarmamento e reintegração de ex-combatentes foram tambem concluídos. A Libéria conduziu eleições presidenciais em novembro de 2005, tendo sido eleita a primeira mulher para Chefe de Estado no Continente Africano (Ellen Johnson Sirleaf, reeleita em 2011 para um novo mandato, tendo ganho o Prêmio Nobel da Paz naquele ano).

O Exército Brasileiro participa dessa missão desde 2003 e, atualmente, conta com um Oficial Superior e dois Oficais Intermediários. O Oficial Superior desempenha a funcão de Oficial de Operações no Quartel-General da Força (FHQ) na capital, Monrovia, assessorando o Force Commander no planejamento/execução das Operacões Correntes desenvolvidas pelas diversas Organizacões Militares. Nesse mister, realiza o acompanhamento sistêmico no terreno das atividades em áreas de fronteira (Border Meetings, Cross Border Operations etc.). Os capitães desempenham a função de Observador Militar, cada um mobiliando um dos 11 Team Sites existentes no interior do país.

A Forca Aérea Brasileira possui um representante na missão (Oficial Superior), o qual desempenhava, até o ano de 2012, a funcão de Oficial de Ligacão da UNMIL junto a UNIOSIL (Missão das Nações Unidas na Serra Leoa). Em 2013, com o término das atividades daquela missão, este oficial foi relocado de Freetown para Monrovia e, atualmente, é um dos integrantes da célula de CIMIC da missão. Nao há policiais brasileiros na UNMIL.

Force Commander Morning Briefing
(FHQ, em Monrovia)
Janeiro de 2014



Condução do Force Commander Morning Briefing
(atualização das operações)
Março de 2014

Participação em uma Border Operation
(Air Border Patrol em Ganta, Team Site 9)l
Fevereiro de 2014

Acompanhamento de um Border Meeting
(fronteira entre Libéria e Guiné)
Fevereiro de 2014


 
Atuação de um Observador Militar
(vilarejo em Voinjama, Team Site 11)
Junho de 2013