Missões de Paz

UNAVEM I
Primeira Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola

A UNAVEM I foi estabelecida em dezembro de 1988, para verificar a retirada total das tropas cubanas do território de Angola.

O Brasil contribuiu com oito observadores militares para o primeiro mandato da Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola, de janeiro de 1989 a maio de 1991 (término do mandato). Além disso, durante todo o mandato da UNAVEM I, o General-de-Brigada Péricles Ferreira Gomes exerceu o comando do contingente de 70 observadores militares das Nações Unidas.

UNAVEM II
Segunda Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola)

A UNAVEM II foi estabelecida em maio de 1991 para verificar as disposições acordadas pelo governo de Angola e a União Nacional para a Indepêndência Total de Angola (Unita) relativas ao monitoramento do cessar-fogo e da Polícia Angolana. Deveria também, observar as eleições no país, em conformidade com o Acordo de Paz.

O Brasil continuou contribuindo para o segundo mandato da Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola, de maio de 1991 a fevereiro de 1995, com oito observadores militares, nove observadores policiais e uma unidade médica. Para monitorar as eleições, em setembro de 1992, foram enviados quatro observadores eleitorais (funcionários do Tribunal Superior Eleitoral). O General-de-Brigada Péricles Ferreira Gomes continuou exercendo o comando do contingente de observadores militares das Nações Unidas, de maio a setembro de 1991.


UNAVEM III
Terceira Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola)

Estabelecida para ajudar o governo de Angola e a UNITA a restabelecer a paz e lograr a reconciliação nacional. Teve por base os Acordos de Paz para Angola, firmados em 31 de maio de 1991, o Protocolo de Lusaka, firmado em 20 de novembro de 1994 e as resoluções do Conselho de Segurança.

De agosto de 1995 a julho de 1997, o Brasil contribuiu com um batalhão de infantaria (800 homens), uma companhia de engenharia (200 homens), dois postos de saúde avançados (40 oficiais de saúde, entre médicos, dentistas, farmacêuticos e auxiliares de saúde) e aproximadamente 40 oficiais do Estado-Maior para a UNAVEM III. Durante todo o período da missão, o Brasil também contribuiu com uma média de 14 observadores militares e 11 observadores policiais. O Brasil chegou a ser o maior contribuinte de tropas para a Missão, que durante quase dois anos foi a maior operação de paz das Nações Unidas. A participação brasileira na UNAVEM III fez com que o Brasil ocupasse, no início de 1996, a posição de quarto maior contribuinte de tropas para operações de paz das Nações Unidas.