FEB 75 Anos

Vitórias da Força Expedicionária Brasileira na Itália - Edição 13

${the_title} - ${company_name}

Publicado em: 05 mar 2020

Conquista de Castelnuovo pela Força Expedicionária Brasileira

Nos primeiros dias do mês de março de 1945, a 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE) prosseguia em atitude ofensiva, sob o comando do IV Corpo de Exército, que tinha a tarefa de eliminar as resistências nazistas no vale do Marano e, em uma fase seguinte, conquistar Castelnuovo.

A missão da 1ª DIE era complexa, pois para iniciar o ataque em Castelnuovo seria necessário sincronizar suas atitudes com a 10ª Divisão de Montanha, que já estava em combate desde o dia 3 de março de 1945, no flanco esquerdo das tropas brasileiras.

Nesse momento, coube à 1ª DIE cooperar com ações que desviassem a atenção do inimigo em seu setor de responsabilidade até que, no dia 5 de março de 1945, o 1º Batalhão do 11º Regimento de Infantaria ( I/11º RI) e o 2º Batalhão do 11º Regimento de Infantaria (II/11º RI) ocuparam suas posições de partida, onde foram duramente hostilizados pelas armas automáticas postadas na região de Castelnuovo e pelo bombardeio da artilharia alemã.

Em resposta, a Artilharia Divisionária, comandada pelo General Cordeiro de Faria, desencadeou um pesado bombardeio sobre os observatórios inimigos, aliviando a pesada tarefa do escalão de ataque, que já vinha sofrendo baixas sem ter iniciado o movimento para Castelnuovo.

Enquanto isso, o 1º e o 2º Batalhões do 6º Regimento de Infantaria (6º RI) iniciaram sua primeira missão, que era dominar as eficientes posições de fogo dos alemães em Soprassasso, ao sudoeste de Castelnuovo, tendo a sua cobertura de flanco feita pelo I/11º RI, que também apoiava o ataque do II/11º RI a Castelnuovo.

Às seis horas da tarde do dia 5 de março de 1945, com uma considerável ajuda da artilharia, Castelnuovo caiu em poder da FEB, ao mesmo tempo que o 2º Batalhão do 6º RI conquistava o controle de Soprassasso. Toda essa ação foi ao custo de quase 70 baixas brasileiras, aproximadamente 1/3 dos mortos e feridos em ação no mês de março de 1945.

 

.: Versão em pdf para impressão                                  

Fonte: Centro de Comunicação Social do Exército