Publicador de conteúdo

Retornar para página inteira

Retomada e defesa de Fernando de Noronha

Fernando de Noronha.

Fernando de Noronha é um arquipélago composto de cinco ilhas maiores (Fernando de Noronha. Rata, do Meio, Rasa e Sela Ginete) e 14 pequenas que nada mais são que rochedos sáfaros que afloram à superfície do mar. A posição do arquipélago entre o Brasil e a África permite controlar as rotas marítimas que do sul demandem a linha do equador e vice-versa, o que lhe confere importância estratégica.

Primeiras tentativas de colonização.

Em 16 de janeiro de 1504, o Rei de Portugal doou o arquipélago a Fernão de Loronha, um rico cristão-novo português, para que ele o colonizasse, no sistema de capitania hereditária. O donatário nada fez para povoar as ilhas, nem os que o sucederam, Fernão Pereira Pestana de Noronha e João Pereira Pestana, respectivamente neto e bisneto do primeiro donatário.
Por sua posição geográfica o arquipélago despertou a cobiça dos holandeses, que o ocuparam em dezembro de 1629 por intermédio do Almirante Corneliszoon Jol que, a soldo da Companhia das Índias Ocidentais Holandesas aportou com os navios Otter e Hawick. Era uma fase inicial das futuras invasões no Nordeste.
Informado do ocorrido, aprestou-se Matias de Albuquerque, Governador de Pernambuco, para expulsar os invasores. Rui Calaza Borges, auxiliado pelo Capitão Pedro Teixeira, comandou as tropas coloniais encarregadas dessa missão, que para lá seguiram em sete caravelas. Conseguiram surpreender os invasores e expulsá-los, reconquistando o arquipélago. Mas não desistiram os holandeses. Após a conquista de Pernambuco reocuparam a ilha e artilharam-na, em 1646.
Expulsos os invasores a ilha foi entregue ao Mestre-de-Campo português Francisco Figueiredo, permanecendo despovoada.

Novas tentativas de colonização. Penetração francesa.

D. Pedro II, Rei de Portugal, em 8 de janeiro de 1693 revogou a doação, mas nada foi feito para povoar a ilha. Sentindo sua importância e a necessidade efetiva de defendê-la, o Governador de Pernambuco, Caetano de Melo e Castro, pediu em principio de 1696 que ela fosse ocupada e fortificada. A Coroa portuguesa atendeu ao pedido e por Carta Régia de 7 de setembro de 1696 determinou a colonização; a seguir, por meio de outra carta, de 24 de setembro de 1700, passou a jurisdição ao Governo de Pernambuco. Entretanto, dada a carência de recursos financeiros e humanos com que se defrontavam a Colônia e a Metrópole, o projeto não se concretizou.
Os franceses também cobiçavam a ilha. La Ravardière, ao tentar a conquista do Maranhão e a fundação da França Equinocial, lá aportou em julho de 1612 permanecendo por cerca de 15 dias.
Em 1736, a recém-criada Companhia das Índias Orientais Francesas tentou a conquista, enviando uma expedição chefiada pelo Capitão Lesquelin. O arquipélago foi ocupado e a colonização iniciada.
Ao tomar ciência do fato, o Vice-Rei do Brasil, Conde de Galveas, enviou observadores ao local que constataram a ocupação, em 28 de setembro de 1736.
O Rei português determinou que fosse expulsa a tropa ocupante e colonizada a ilha, expedindo em 26 de maio de 1737 uma Carta Régia designando o Governador de Pernambuco, Henrique Luís Freire de Andrade, para dar cumprimento à resolução. Concomitantemente, o Conde de Galveas preparou uma expedição com 250 homens, comandada pelo Coronel João Lobo de Lacerda, que partiu de Pernambuco a 6 de outubro de 1737, expulsou os franceses sem a menor resistência e regressou a Recife a 11 de julho de 1738.

Ocupação definitiva.

Logo que ocuparam o arquipélago, trataram os luso-brasileiros de fortificá-lo. Encarregou-se das obras o engenheiro militar Diogo da Silveira, dando início à construção da Fortaleza dos Remédios, do Forte de Santo Antônio e do Forte da Conceição.
Para efetivar a colonização criou-se em 1739 o presídio que acolhia condenados não apenas do Brasil mas também de Angola. Nesse mesmo ano existia em Fernando de Noronha um contingente de 19 oficiais e 194 praças, guarnecendo cinco fortificações e 54 canhões. Ao todo construíram-se 10 fortes. Desde essa época vem sendo o arquipélago habitado regularmente.